sexta-feira , 21 setembro 2018

Paralisação das Mulheres

A Secretaria Estadual de Mulheres do PT programa diversas atividades para o #8M: Paralisação das Mulheres Brasileiras.

Foto destaque: Denílson Cadête | Fotos internas: Arthur Marrocos

A Secretaria de Mulheres do PT Pernambuco (SMPT) programou uma série de atividades para o mês março. As iniciativas vão desde debates, passando por rodas de diálogo e manifestações de rua. Esta, agendada para esta  quinta-feira, 08, dia Internacional da Mulher.  A mobilização: #8M Paralisação das Mulheres Brasileiras, construída por diversos movimentos de mulheres, tem concentração a partir das 13h, no Parque Treze de Maio, centro do Recife.

“No dia 08 estaremos todas nas ruas para levantar bandeiras que são bastante caras para nós, como fim da violência contra as mulheres, pelo direito ao aborto legal, por mais autonomia no mundo do trabalho e contra a Reforma da Previdência”, afirma Suely Oliveira, dirigente da Secretaria Estadual de Mulheres do PT.

“A gente fez um panfleto que faz uma denúncia sobre a Reforma Trabalhista e sobre a Reforma da Previdência, que tem impacto direto na vida das mulheres. Esse panfleto vai circular o pais todo. A ideia é mostrar que retirar direitos também é uma violência”, diz Anny Karolyne, Secretária Nacional de Mulheres do PT, presente em Recife, numa Roda de Diálogo, realizada pela secretaria estadual de mulheres do partido, na última segunda-feira, 05, no Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados, Informática e Tecnologia da Informação (Sindpd-PE), no bairro da Boa Vista, às 18h.

Conforme Anny, a reforma trabalhista impacta diretamente na vida da mulheres com um aumento do trabalho informal, atingindo ainda, entre outras leis, a das empregadas domésticas, que garantia direitos. E entre pontos precarizantes da Reforma Trabalhista, a dirigente aponta que há a tentativa de igualar o tempo de contribuição entre homens e mulheres como se as mulheres não tivessem dupla ou tripla jornada de trabalho.

Foto de Arthur Suely e Anny
Suely Oliveira e Anny Karolyne ouvem propostas das participantes da roda de diálogo

 

Ainda conforme a secretária nacional, pesquisas revelaram que as mulheres rurais morrem mais cedo que os homens rurais, vivendo numa situação muito precária. A dirigente acrescenta ainda que “As mulheres da periferia conseguem sentir muito no seu dia-a-dia o impacto da perda de direitos. Seja na cesta básica, seja na condução de seu filho pra escola, e sente o impacto a partir do que vivencia como chefe de família, maioria mulher, em nosso país”.

As atividades relizadas pela SMPT seguem durante todo o mês de março. No dia 20, está prevista ainda a apresentação do Diagnóstico sobre a Situação da Mulher em Pernambuco e a Reforma da Previdência, com Suely Oliveira e Liana Araújo, Secretária de Mulheres da CUT, no SindpdPE.

Violência urbana
Suely revelou que o diagnóstico realizada pela Secretaria Estadual de Mulheres do  PT mostrou os números da violência no estado, sendo as mulheres as principais vítimas.

Conforme a secretária estadual, os homens também sofrem com a violência urbana em razão dos diversos assaltos. No entanto, Suely explica que as mulheres sofrem duplamente, com a violência urbana e a ameaça da violência sexual.  “Um dos maiores problemas do (des)governo Paulo Câmara está na Saúde e na Segurança Pública. E as mulheres são as maiores vítimas desta falta de segurança. Não existe política pública de segurança para as mulheres, no estado. O que há é um completo descaso desse governador, que diz que as mulheres devem ficar em casa para evitar a violência”.

A dirigente ressaltou ainda que toda a agenda do mês de março traz além de bandeiras históricas do movimento, a não criminalização do PT e o direito do ex-presidente Lula ser candidato.
A titular da SMPT  afirmou que, com o governo ilegítimo de Temer, várias das conquistas e direitos obtidos nos governos Lula e Dilma foram sendo inviabilizados. Desde a Secretaria de Políticas para as Mulheres – que tinha status de ministério e acabou sendo alocada para outro ministério com o um corte brutal de recursos – à diversas políticas públicas que não são mais implementadas. “Houve muitas conquistas e depois muitos retrocessos com o governo golpista, o que nos impele a ir para as ruas”, destacou.
Na próxima quinta-fera, 08 de março, Parque 13 de maio, haverá antes da  mobilização Mulheres com Lula pela Democracia, a realização de uma oficina de maquiagem para que as mulheres possam  desenhar em seus corpos vários símbolos do feminismo e seguirem para as manifestações.

 

AGENDA:

#8M: Paralisação das Mulheres Brasileiras.
Quando: dia 08 de março
Onde: Parque 13 Maio.
Horário: a partir das 13 horas.

Reunião ampliada do Comitê de Mulheres da Frente Brasil Popular.
Quando: 13 de março
Onde: Turma do Flau. Rua I, Brasília Teimosa.

Roda de conversa sobre Feminismos e Partidos Políticos na América Latina
Quando: de 13 a 17 de março
Onde: Salvador, Fórum Social Mundial.

Diagnóstico sobre a situação da Mulher em Pernambuco e a Reforma da Previdência, com Suely Oliveira (Secretária de Mulheres do PT) e Liana Araújo (Secretária de Mulheres da CUT).
Quando: 20 de março
Onde: SindpdPE
Horário: 18h.