terça-feira , 15 outubro 2019

Audiência pública

Presidente do PT PE defende o Banco do Nordeste

A audiência pública “A importância do Banco do Nordeste para o Desenvolvimento Regional”, realizada na manhã da última terça-feira, 25, na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) já trouxe seus primeiros desdobramentos. Resultou na formação de um Grupo de Trabalho (GT) com a participação do Sindicato dos Bancários de Pernambuco, Fetape, CUT, AFBNB, Comitê Nacional em Defesa do Banco do Nordeste, deputados Estaduais Doriel Barros (PT) e Fabrizio Ferraz (PHS), e deputado Federal Carlos Veras (PT-PE). A proposta, conforme os organizadores, é aprofundar o debate sobre a importância do Banco do Nordeste para o desenvolvimento regional, realizar audiências públicas no Interior do Estado e articular reuniões de apoio com a AMUPE, União doa Vereadores de Pernambuco (UVP), Governo do Estado e com o presidente da Alepe, Eriberto Medeiros (PP).

O presidente estadual do PT, Glaucus Lima, também participou do debate. De acordo com o presidente do PT Pernambuco, é preciso que o estado seja indutor de desenvolvimento econômico. “Nós queremos um estado forte que possa orientar políticas públicas, não queremos um estado mínimo que deixa somente ao mercado o papel de construir oportunidades econômicas. Quando discutimos qual o estado que nós queremos estamos discutindo, na verdade, o país que nós queremos”, afirmou.

Em sua opinião, o governo de Bolsonaro é o de um País excludente que joga fora nossas oportunidades e nossa soberania, entregando nossas riquezas, como petróleo, água doce entre outras, ao capital estrangeiro. “Os nossos recursos estão sendo entregues, as nossas empresas públicas estão sendo destruídas e privatizadas. Querem esvaziá-las, deixarem só casca sem capacidade de estarem gerando desenvolvimento. E quando a gente está fazendo a luta contra a privatização do bando do Nordeste, estamos fazendo uma luta por um país inclusivo, forte e com inserção economia, política e soberana no mundo”, destacou Glaucus, reiterando que a luta contra a privatização dos bancos públicos é a mesma luta que envolve a reforma da previdência.

O Banco do Nordeste é hoje o maior financiador de crédito rural. Em 2018, o banco, que teve lucro líquido de R$ 725,5 milhões, 1,3% maior do que o lucro líquido de 2017, foi responsável por 63% das operações de microcrédito, registrando um saldo de ativos de R$ 3,3 bilhões no Crediamigo (Programa de Microcrédito Produtivo Orientado da América do Sul).

Convocada pela Comissão de Agricultura, Pecuária e Política Rural da Alepe, presidida pelo deputado estadual Doriel Barros (PT), a partir da solicitação do Sindicato dos Bancários de Pernambuco, a atividade foi realizada no Auditório Ênio Guerra, 4º andar – Anexo 1.