terça-feira , 19 novembro 2019

A hora de levantar a cabeça e continuar a luta contra a Reforma da previdência

Por Anderson Barbosa *

A Reforma da Previdência foi aprovada na Câmara Federal. Essa é uma das maiores tragédias da qual é vítima o povo brasileiro. Em um tempo que é cheio delas.

Mas não é hora de baixar a cabeça. Não apenas porque a Reforma ainda terá que ser aprovada no Senado. Mas porque ainda há tempo de lutar.

Desde o início sabíamos que só as ruas poderiam barrar essa Reforma. Nunca tivemos ilusão alguma na maioria reacionária que compõe o Congresso Nacional nas duas casas.

Fizemos muita coisa. Mas é preciso dizer e reconhecer que foi insuficiente. Nossa Greve Geral foi importante, mas não grande o suficiente para assustar o lado de lá.

E entre os motivos disso, talvez o mais importante seja o que a pesquisa Datafolha apontou ontem: o país está dividido sobre a Reforma, mas 47% do povo apoia o projeto de Bolsonaro de destruição das aposentadorias, mais do que os 44% que são contrários.

Esse é o nosso maior desafio. Não é convencer deputado e senador. É convencer o povo!

Também não é hora de se revoltar e xingar nosso povo (aliás, essa hora nunca existirá). Nosso povo, assim como na eleição, foi bombardeado pela propaganda oficial e não oficial a favor da Reforma. Nós é que fomos incapazes até agora de furar esse bloqueio. Não porque não tentamos, mas porque nossas forças até o momento foram insuficientes mesmo.

Mas não é hora de baixar a cabeça, nem de ‘amaldiçoar’ tudo o que fizemos até aqui. Muito pelo contrário. Se é verdade que o que fizemos até agora não foi suficiente pra barrar a Reforma na Câmara, é verdade também que acumulamos força, convencemos parte da população e fizemos muita luta.

É hora de levantar a cabeça, organizar nossas bases, dialogar ainda mais com quem defende a Reforma. Não estou falando aqui de burgueses ou da classe média alta. Estou falando da operária, do camponês, da dona de casa, do pedreiro ou da empregada doméstica que foram convencidos pela propaganda pró-reforma.

A luta continua. Que a derrota de hoje sirva de lição e estímulo para organizar a luta de amanhã. Que o ódio e a revolta que estamos sentindo hoje se convertam no combustível para nossa resistência.

Só está derrotado quem já desistiu de lutar. Nós, que há mais de 500 anos resistimos contra essa elite canalha, entreguista e antipovo, não desistiremos nunca!

Nossa luta continua!

*Anderson Barbosa
Membro do Diretório Estadual do PT/Pernambuco, do Coletivo Estadual da Secretaria de Combate ao Racismo do PT/PE e Secretário de Organização do PT/Pesqueira.